A delinquencia Juvenil em Angola

Este site é de caracter informativo e formativo ,construido por um joven preocupado com a sua camada.Na ancia de querer ver de novo os bons momentos vividos na infancia em angola a Paz vibrava nos corações dos mwangole ate nos putos o que agora não se vê ,nos jovens pevertidos de hoje asustedos com a globalização

Friday, October 13, 2006

Todos os Males da Sociedade Começam na Familia


Todos os males que a sociedade enfrentou no passado e continua hoje a infrentar no presente partem da familia .A sociedade é constituida pelos membros que constituem a famlia ,nomeadamente:

# - Pai
# - Mãe
# - Filhos
# - Avôs
# - Primos , primas ,Vizinhos , irmãos .etc

Sabemos tambem que outros , pessoas que partem da familia , mas que não constituem uma familia biologica propriamente dita , assim como aquelas pessoas que formam as instituições , as igrejas .

Um item muito forte tambem , como é observado cá em angola sabemos que , a nossa cultura é tradicionalmente africana , enrraizada nas mais tradicionais , terras africanas de angola , os muitos costumes enrraizados , que viemos adquirindo com o passar dos tempos são frutos da inculturação , que fomos todos influenciados .Com isto Estamos numa era de desenvolvimento .Angola acorda a pouco dos encombros da guerra tribal que foi vitimada , e seus filhos .Guerra esta que fragilizou uma toda sociedade com , atrocidades , violações , muitos males sofreu a nossa sociedade nas 18 provincias .



Surgimento da Delinquencia Juvenil em Angola
Angola tal como qualquer outra sociedade humana , esta sujeitar a se subter a este fenomeno social que afecta todas as sociedades do mundo inteiri , pelo simples facto de que enquanto houver familias , haverá sempre delinquencia juveil, só que com o passar dos tempos este ,mal tem tendencia negativa sobre as sociedades subdesenvolvidas como é o caso de angola .Porque os jeovens em angola , querem ter a mesma liberdade dos jovens europeus , e Americanos que veem na televisão e revistas , sem estarem cienctes de que o nosso pais não oferece condições adequadas para lhes favorecer o clima de libertinagem que os jovem europeus e Americanos de familias ricas .
1 - Primeiro porque a maior parte das familias angolanas vive em condições não muito precarias , ou luxuosas , mas na medida do possivel .É que os pais mal têm para alimentar os seus filhos imagina ter que lhes fazer a vontade , atendendo aos seus vicios ( Como por exemplo atender ao pedido das grandes festas que estes realizam , que sempre acabam em intrigas ferimentos e mortes ; enbriagues e acidentes ) e desejos .
2 - Porque os jovens angolanos hoje não querem nada com o estudo , querem todos ser americanos e Brasileiros ,só tchilar e cair na noite.Desepcionando seus pais com estes estilos de vida que eles estão hoje a levar .
CAUSAS DA DELINQUENCIA JUVENIL EM ANGOLA
A delinquencia juveil em angola tem as causas que as a maioria dos angolanos ja conhece muito bem , a pobreza não é uma escepção .Sabemos que o pais esteve mergulhado num conflito armado que atrasou por completo o desenvolvimento tecnico , social , economico, e politico.Sabemos tambem que a guerra atrasou o que de bom seria angola hoje.Mas com os quatro anos de paz fomos empurrados de forma ventilosa para esta correria da globalização , tardou mas conseguimos , estar par e passo com outros piases como Namibia e Africa do Sul num pe de igualdade em termos de desenvolvimento social e economico ( sem esquecer o cultural .O que os jovens aprendem de ruim nas televisões internacionais , e revistas não têm visto na TPA ,mas sim nas televisões internacionais , como as parabolicas .Neste contexto o governo nada pode fazer se não saber consciencializar os jovens , e capacitalos nas escolas e instituições afins
A delinquencias juvenil em angola tem causas como :
A-) pobreza : A pobreza aflige 85% das familias em angola .Parece mentira mas muitas familias em angola se têm distorcido por causa da pobreza , o cabeçalho da familia não se contem com apenas uma mulher querendo sempre ter mais uma e com ele a sombra de filhos se arrastando por esta angola a fora .deixando algumas mulheres com o carma de criar os filhos sozinhas , o que com o passar dos tempos , os filhos começam por odiar seu pais e mais tarde a sociedade em geral , provocendo conflitos miudos na s escolas e mais tarde , quando crecido o delinquente perfeito que a policia precisava para ganhar o dia e priencher mais uma cela com um bastardo.
B - ) Educação : Numa sociedade marcada por uma crescente crise de valores , como é o caso da nossa sociedade angolana , tendo em conta as perspectivas acima abordada gostaríamos de relfetir sobre o papel da educação num projecto de construção de uma nova sociedade .A educação senhores é a pedra basilar de desenvolvimento de qualquer nação, através do qual o presente é edificado e o futuro é garantido, é acima de tudo , através dela, numa sociedade democrática emergente que vivemos , que criamos as condições para formação de um povo consciente de seus deveres, direitos e obrigações, pois somente projetando bons educando e educadores visualizaremos perspectivas e horizontes positivos e benéficos num amanha vindouro, ate porque não é por acaso que se costuma dizer "" o futuro de uma mora numa boa educação"" . Hodiernamente , e neste mundo globalizado a formação de quadros capacitados é o grande sustentáculo para o progresso e para maior compreensão dos fenómenos socio-econômicos , psicotécnicos e principalmente para nos angolanos entender melhor os fenómenos naturais e sobretudo culturais que abundam em nosso pais( etnias, tradições, línguas, hábitos, usos e costumes ).fonte:www.chinhorochaescreve.blogspot.com
c - A falta de Apoio Adequada : A falta de asistencia adequada por parte dos pais , amigos do estado e da sociedade em geral , distraidamente os pais vivem a sua vida sem saber o que seus filhos tem aprontado durante a noite .Os professores , só querem saber em despejar materia para os alunos nas escolas , não se preocupam com seu discentes , o importantes para eles é chegar cedo dar sua aula e esperar no fim do mesmo seu salario .Os professores devem icentivar as actividades estra-escolares , como o desporto ,pratica de actividades que ocupem os alunos mais tempo nas escolas do que na rua , façam feiras , ralizem algo que prenda o aluno a uma aprendizagem como é o caso dos jovens japoneses e chineses , icentivam actidades culturais como teatro ,aulas gratis de musica, escola gratuita de teatro e formação de actores como sabem nem todos têm dinheiro para pagar tais cursos , antes gastar o dinheiro num telefone roubado ou numas peças de roupas ou ate mesmo numas cervejas .Por isso o estado deve ter mas atenção assim como o corpo docente das escolas publicas e privadas , facilitar de formagratuita estas actividades gratuitas aos jovens dos 12-18 anos e dos 20 - 38 anos de idade .
D - ) A policia : A policia não deve querer somente prender , maltratar ,e fazer os jovens .A policia deve ser a primeira entidade educadora e antecipadora formadora ,e mentora dos jovens , propondo um educação policial, dando nas escolas palestras sobre como os jovens devem ou podem ver livres do mundo do crime ja que na escola nem sempre aprendemos tudo o que precisamos para sermos sere completamente acabados ,prontos para viver .A policia deve e pode tentar criar programas educativos nas escolas , de forma a formar o jovens e alerta-los dos perigos que a vida social apresenta , assim como as consequencia que advem dos males que estes cometem e deve ser uma actividade vitalicia , realizadas por pessoas e jovens competentes que passaram por experiencias de generos , e saber cativar os mesmos , se for possivel projecção de filmes e outros atrativos educativos de formas a mante-los cientes de que a vida não é só liberdade , bebdeiras , roubos , violencia , soberba, a vida é tambem , justiça respeito e tolerancia , paciencia acima de tudo.
A Polícia precisa traçar novas técnicas de combate ao crime

``Armindo Pereira`` - jornal de Angola
A nossa primeira entrevistada foi a estudante Jóia Mateus, que considerou "triste" o cenário que se vive em Luanda em relação ao assunto em abordagem. Ela conta que já foi vítima de assalto, várias vezes, e, por não se sentir segura, adoptou um novo método de autoprotecção: anda com o telemóvel à cintura. "Sei que isso pode causar alguns problemas de saúde, por causa da vibração do aparelho. Mas não há um outro jeito", lamentou.Mário Teixeira, aposentado, disse que, em tempos idos, a situação "era muito mais calma. Este clima de insegurança é o mais crítico de todos os tempos", considerou. O "kota" Mário Teixeira apontou o crescimento populacional como um dos factores que aumenta a delinquência e, consequentemente, a insegurança pública.
"Por este facto é que eu ando muito prevenido. Escuso-me a andar com valores monetários ou telemóveis, porque a situação é crítica. A Polícia Nacional precisa traçar novas técnicas de combate ao crime", acrescentou Helena Pedro, estudante, disse reconhecer o esforço que a Polícia Nacional tem feito para garantir a segurança pública, mas ainda assim "não é o suficiente para que as pessoas possam sentir-se mais à vontade". Quando está na rua tem desconfiança de qualquer pessoa com aparência estranha, porque ainda não existe uma segurança firme no país, considera ela."Na rua, nunca estamos seguros. Corremos sempre o risco de sofrer um assalto em qualquer esquina. A Polícia tem feito a sua parte. Aumentou o número de patrulheiros em áreas onde ocorrem assaltos com maior frequência. Mas infelizmente não garante ainda a segurança para quem circula por Luanda e arredores". A afirmação é da funcionária pública Maria de Fátima.
Carlos Augusto, funcionário de uma empresa privada de segurança, afirmou que ainda não se pode dizer que "a situação da segurança pública é estável". Considerou, por outro lado, que muito ainda tem que ser feito. Apontou, também, a necessidade de a população contribuir, denunciando todo o acto que perturbe a tranquilidade e a ordem pública.João Cocas, também funcionário público, tem uma opinião diferente dos demais. "Podemos dizer que temos uma segurança pública relativa. Há momentos que o índice de criminalidade baixa consideravelmente e isto é sinal de que alguma coisa está a ser feita, embora alguns grupos de marginais na periferia resistam às medidas tomadas pela Polícia" Ele disse acreditar que, se houver um esforço em manter as ruas mais iluminadas, sobretudo nos bairros suburbanos, vamos ter uma segurança pública certamente mais eficaz para o bem-estar de todo o cidadão.
Enoc Muhongo, técnico de laboratório, afirmou que a "segurança pública, se existe, ainda não se faz sentir, uma vez que as pessoas não circulam à vontade e os assaltos ainda têm sido uma constante, principalmente no período nocturno". Enoc Muhongo apontou também a fraca iluminação como um dos factores que motiva os delinquentes para o crime. "Se alguma coisa for feita neste sentido, certamente que os resultados serão satisfatórios". Pedro Silva, funcionário público, comentou que é complicado falar-se de segurança pública, principalmente em Luanda. Apontou também o elevado número de habitantes como um dos factores do crescimento da criminalidade. "Com a falta de empregos, a tendência dos jovens é recorrer às drogas e ao crime. Acredito que, com campanhas de sensibilização, palestras, mostrando que o crime não compensa, podemos inverter o quadro actual". Mauro Pedro, designer, opinou que não existe ainda segurança pública no verdadeiro sentido da palavra.
Quando estão na rua, as pessoas não se sentem seguras, algumas até são assaltadas em plano luz do dia e ninguém faz nada. As pessoas que presenciam assaltos não reagem sequer por temerem represálias. Que a Polícia Nacional tem feito o seu trabalho, disso não tenho dúvidas, mas ainda assim é pouco, porque, mesmo no centro da cidade, os meliantes agem com toda naturalidade. São palavras de Mauro Pedro. Por último, conversámos com o estudante Campos Pedro, de quem ouvimos o seguinte: "A segurança pública que temos ainda não é a mais desejada, infelizmente para a tristeza de todos nós. O jovem Campos Pedro argumentou que quase que já não há diferença entre o gueto e a cidade, já que os meliantes sentem que podem agir da mesma forma tanto num lugar como noutro. "A cada dia que passa surgem novos grupos de bandidos porque eles sabem como agir sem que a Polícia se aperceba. Às vezes até, os bandidos afrontam agentes da autoridade, o que piora ainda mais a situação".
A delinquência juvenil tem-se tornado num problema muito grave e com consequências preocupantes na sociedade Angolana nos últimos anos
. Talvez por existir cada vez mais informação sobre as práticas destes jovens, na sua grande maioria inadaptados ou simplesmente necessitados, aparecem agora vozes que tentam sensibilizar a opinião pública para a solução desta questão, tarefa tremenda quando não existe vontade nem sensibilidade por parte do Governo e das outras instituições competentes.Os tribunais conhecem cada vez mais casos de furto, posse de armas e de drogas, agressão e abuso sexual praticados por jovens que ainda não atingiram a idade adulta. À força de tanto presenciarem comportamentos recrimináveis pela sociedade (tráfico de droga, resolução de conflitos com recurso à agressão, furto, delinquência juvenil), os pré-adolescentes oriundos de meios problemáticos têm grande dificuldade em falar do bem, ou de sequer tentar seguir outro caminho que não o da criminalidade.
Na sua grande maioria provenientes de bairros degradados e de famílias não acompanhantes, os jovens delinquentes vão formando ideias e adquirindo comportamentos agressivos e condenáveis do ponto de vista sócio-moral.

O combate a este problema

devia começar na escola - e na Familia


O combate a estes problemas devia começar na escola, na idade em que ainda se consegue educar uma criança de modo a esta poder distinguir o bem do mal, o certo do errado. Parece simples e demasiado fácil, mas temos que começar por algum lado. Se conseguirmos que uma criança, habituada no seu dia-a-dia a assistir a situações ilícitas e moralmente condenáveis, adquira essa percepção básica do que é viver em sociedade, é o princípio para se poder reduzir drasticamente a delinquência juvenil. A escola pode, e deve, desempenhar um papel importante, não só na formação cultural dos alunos, como também na formação do seu próprio comportamento moral e social.Quando se chega ao ponto de ouvir de uma pequenita com apenas 10 anos, moradora num bairro degradado, que “Eu cá quero ser traficante, porque dá muito dinheiro”, ou então de um rapaz de 14 anos que, todo orgulhoso, afirma que “até a bófia tem medo de nós. Aqui só entra de caçadeira.”, é sinal de que algo vai mal neste país.


No entanto, não devemos remeter estes jovens para um estatuto de incapazes, vendo-os como uns coitadinhos. Temos é de compreender o meio que os envolve e o modo como vivem. A maioria deles reside em locais fechados, onde não há mistura social e onde se concentram referências negativas. Jovens que têm, na sua grande maioria, insucesso escolar garantido, que faltam às aulas sistematicamente, mantendo-se matriculados até aos 16 anos (porque é obrigatório) para saírem, depois, sem qualquer preparação para enfrentar a vida real. “Já sei ler e escrever, e isso já é suficiente para viver”, dizem muitos deles quando se lhes pergunta porque razão não querem continuar na escola, ou porque faltam tanto às aulas.


Esta é uma realidade preocupante que em vez de estar a ser combatida e prevenida, está, pelo contrário, a ser desvalorizada pelos responsáveis institucionais, apenas por não quererem admitir o que já se tornou óbvio. A delinquência juvenil em Portugal tem de ser combatida, não apenas através de meios de repressão, mas também, e acima de tudo, por medidas preventivas eficazes no combate à pobreza, à exclusão social e ao analfabetismo.Não é reduzindo cada vez mais a idade em que um jovem pode ser responsável criminalmente pelos seus actos que se vai solucionar este problema. Veja-se o exemplo dos Estados Unidos da América em que, apesar de crianças com 14 anos serem julgadas como adultos, todas as semanas assistimos a casos de assassínios perpetrados por jovens adolescentes, muitas vezes nas escolas onde estudam.É indiscutível que precisamos de leis mais eficazes e de tribunais mais duros, no entanto a repressão não é o caminho ideal. Se assim fosse era sinal que já não havia esperança para Portugal. Estaríamos numa sociedade onde a prevenção já não obtinha qualquer efeito, apenas a repressão contava. Mas, como ainda nos falta muito para chegar a esse ponto de não retorno, lá diz o povo “mais vale prevenir que remediar”.Pedro Silva (Presidente da Secção de Defesa dos Direitos Humanos da AAC)

Alguns esforços têm sido tentados para lutar contra este fenómeno

Combata-se a Delinquência,
Não Os Delinquentes
Por Daniel Rijo
*Quinta-feira, 13 de Setembro de 2001

A delinquência juvenil tem sido uma das temáticas mais tratadas nos "media" nos últimos anos, por vezes em trabalhos extremamente bem realizados. Alguns esforços têm sido tentados para lutar contra este fenómeno que, como sabemos, tem vindo a assumir proporções assustadoras nalgumas áreas geográficas. No entanto, mesmo quando determinada medida chega a ser implementada, na realidade, revela-se habitualmente ineficaz face ao pretendido e os resultados alcançados raramente são divulgados de forma clara. A delinquência juvenil não tem sido alvo de uma verdadeira política de intervenção, rigorosa na definição de objectivos a alcançar e nas propostas para o conseguir. Daí que, circularmente e ainda hoje, seja notícia.
Como tem sido inúmeras vezes demonstrado, as causas da delinquência juvenil são diversas e devem ser analisadas a vários níveis. Muito há a fazer para sinalizar casos de crianças com comportamento anti-social e para prevenir o agravamento do que pode vir a tornar-se num verdadeiro distúrbio de conduta ou, mais tarde, numa personalidade anti-social. Como é sabido, a delinquência é o resultado de uma escalada de aprendizagem de comportamentos anti-sociais, com um início muito precoce (por volta dos três anos de idade). Mas, para isso, seria necessário dotar as escolas de uma rede técnica de apoio competente e especializada. O caso específico da delinquência é por de mais complexo para que possa ser eficazmente combatido por não especialistas, e os professores dos diversos ciclos do ensino básico bem o sabem. Por um lado, sentem-se na obrigação de sinalizar e ajudar os alunos com problemas de comportamento; por outro lado, sentem-se frequentemente impotentes para o fazer e não dispõem de técnicos especializados que possam apoiar a instituição, os alunos em causa e as respectivas famílias. Na nossa realidade, regra geral parece ocorrer o oposto, ou seja, muitas crianças com um comportamento agressivo evidente vão progredindo no sistema escolar, agravando os seus problemas de comportamento sem que nenhuma intervenção especializada ocorra. Nalguns casos, quando a instituição escola já não sabe como lidar com eles, surge a solução miraculosa da expulsão e transferência para outra instituição que, não resolvendo o problema do aluno, resolve certamente o da escola. Não se entenda isto como uma crítica às escolas mas à falta de meios e de recursos de que dispõem.
Ainda ao nível da prevenção, é importante referir que existe experiência acumulada de programas de promoção do comportamento pró-social que têm sido utilizados com sucesso considerável em diversos países. O Canadá é, nesta área, um exemplo a seguir na abordagem séria que faz da prevenção e reabilitação de jovens delinquentes. No caso português, em nosso entender, é urgente o aumento do número de especialistas nesta área - psicólogos, professores e técnicos de serviço social - que possam lidar eficazmente com o fenómeno da delinquência a vários níveis.
A nossa experiência tem mostrado que a formação dos professores para o despiste e compreensão do comportamento anti-social, bem como para a promoção do comportamento pró-social, é um tema de interesse para esta classe. Mas a prevenção é apenas um dos momentos da escalada da delinquência. E a reabilitação daqueles que, de forma redundante, incorrem em comportamentos anti-sociais? Do ponto de vista da saúde mental, o que designamos como delinquência é considerado um distúrbio mental, mais especificamente um distúrbio de comportamento ou, em casos mais graves, um distúrbio de personalidade anti-social. Diversos esforços têm sido feitos para desenvolver e testar programas de reabilitação de delinquentes. Os desafios mais promissores são os programas de intervenção baseados nos modelos de processamento de informação social. A investigação tem demonstrado claramente que os factores cognitivo-sociais desempenham um papel importante na génese e manutenção do comportamento anti-social. Assim, o que deve ser foco de intervenção na reabilitação dos jovens delinquentes são os seus sistemas de crenças acerca de si próprios e dos outros, bem como as regras que delas derivam e que orientam o seu comportamento social. Idealmente, a reabilitação passa pela experiência de relações interpessoais significativas que permitam desenvolver novos modos de percepcionar o comportamento do outro em relação a si, procurando desconfirmar as suposições e regras acerca do comportamento social aprendidas no seu meio de origem. É preciso não esquecer que o comportamento agressivo ocorre em função de uma escalada de processos e não unicamente em função de uma única variável.
Na sua génese está habitualmente um meio familiar e social extremamente deteriorado - este é um dos níveis de intervenção - que não cuida, não orienta a criança nem educa para os limites. Como se não bastassem estas lacunas, a criança aprende uma série de regras de comportamento em sociedade às quais, embora anti-sociais, deve obedecer para garantir a sua sobrevivência. Os delinquentes estão desadaptados em relação às regras que regem o comportamento social da maioria das pessoas mas francamente adaptados às realidades sociais do seu meio de origem e desempenham correctamente o comportamento necessário para sobreviver e serem aceites nesse meio. Por isso, de pouco serve retirar um jovem do seu meio de origem alguns anos se, mais tarde, ele tem que voltar a esse mesmo meio e tornar a comportar-se de acordo com as regras instaladas. Entre estas e a estrutura básica da sua personalidade gera-se uma série de interacções que reforçam sistematicamente uma maneira distorcida de ver os outros e o mundo, subjacente ao comportamento anti-social que exibem.

Actualmente, as ciências sociais em geral e a psicologia em particular fornecem bons instrumentos de análise e compreensão da delinquência. No entanto, quão longe estão das abordagens científicas muitas das instituições que, no nosso país, se denominam de acolhimento e reabilitação de jovens marginalizados, muitos deles delinquentes. Quão distantes as instâncias políticas de uma estratégia séria cujo objectivo seja verdadeiramente o combate à delinquência e não aos delinquentes. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra - * Psicólogo clínico - psicoterapeuta